Maconha

Compartilhe:

A maconha é a droga ilegal mais consumida no mundo. Derivada da planta Cannabis sativa, a maconha pode ser consumida na forma de folhas, resina ou óleo. As folhas e a resina podem ser fumadas ou ingeridas. A substância responsável pelo efeito da droga é o tetraidrocanabinol (THC), que age no cérebro, alterando a maneira de pensar, perceber o mundo e agir.

A maconha de hoje não é igual a do passado


A maconha apreendida nos ano 70 tinha um  teor de THC 20 vezes menor que o da apreendidana atualmente. Essa grande mudança ocorreu devido as práticas de engenharia genética, que selecionaram plantas com maior teor de TCH para cruzamento e análises gênicas. A potência da maconha atual é, portanto, superior à da maconha consumida no passado, o que explica o seu maior potencial de causar dependência.


Quando alguém fuma maconha, o que ele sente?


O THC age em todo o organismo, causando efeitos agradáveis e desagradáveis. Dentre os efeitos descritos pelos usuários, destacamos:

  • Sensação de boca seca 
  • Palpitações
  • Relaxamento 
  • Leve euforia 
  • Olhos vermelhos 
  • Sensação de lentidão do tempo A
  • Aumento do apetite (“larica”) 
  • Isolamento social Alterações dos movimentos s
  • Sonolência Alterações sensoriais
  • Prejuízo de memória.

Só um cigarro de maconha não tem problema?

Qualquer exposição à droga é um risco. O consumo ocasional, por exemplo em festas, pode evoluir para um uso frequente, para um abuso e, finalmente, a dependência. São fatores de risco importantes para o estabelecimento da dependência: predisposição genética, fatores ambientais, como o convívio com outros usuários, aceitação pela comunidade onde vive o paciente. A maconha, ainda, é considerada como “uma porta de entrada para o mundo das drogas”, sendo a primeira droga experimentada pela maioria dos dependentes de outras drogas. 

Quando alguém fuma maconha com frequência, o que acontece?


O uso frequente da maconha é relacionado a uma maior ocorrência de problemas respiratórios graves e de câncer de pulmão. A fumaça produzida pela queima da maconha contém substâncias altamente tóxicas, como alcatrão, benzopireno e benzatraceno. Pesquisas recentes indicam que o uso frequente de maconha aumenta do risco de doenças psiquiátricas, como a esquizofrenia, em cerca de 2%. O uso dessa droga é, também, frequentemente relacionado ao desenvolvimento de sintomas ansiosos, principalmente durante a intoxicação aguda ou após se interromper seu uso.

Maconha atrapalha os estudos e o trabalho?

A maconha age no cérebro e pode causar dificuldades de aprendizado, concentração e memorização. Essas alterações podem perdurar por muito tempo, mesmo após interrupção do uso da droga. Além disso, a maconha pode diminuir a atenção, tornando o uso de máquinas perigosas ou a direção de veículos um risco à vida de quem usou a droga e das pessoas que estão próximas a ela.
 

Uso crônico da maconha e síndrome amotivacional

A síndrome amotivacional é uma das consequências mais preocupantes do uso crônico da maconha por alterar diversos aspectos da vida do usuário. Caracteriza-se pela falta de disposição em persistir em uma tarefa (trabalho, escola), queda do desempenho escolar, falta de objetivos e ambições, apatia, letargia, memória prejudicada e retraimento social. 

 

Referências Bibliográficas

DIEHL, A., CORDEIRO, D.C., LARANJEIRA, R. Abuso de cannabis em pacientes com transtornos psiquiátricos: atualização para uma antiga evidência. Revista Brasileira de Psiquiatria, vol 32, Supl I, maio 2010.

SADOCK,J.S.; SADOCK,V.A.; Manual Conciso de Psiquiatria Clínica. 2a  edição. São Paulo: Artmed, 2008. Pp 118-121

MARQUES, Ana Cecília Petta Roselli; CRUZ, Marcelo S. O adolescente e o uso de drogas. Rev. Bras. Psiquiatr.,  São Paulo,  2013, pp. 32-36.

SOLOWIJ, Nadia; PESA, Nicole. Anormalidades cognitivas no uso da cannabis. Rev. Bras. Psiquiatr.,  São Paulo,  2013, vol.32, pp. 531-540

SEWELL, R. Andrew et al . Efeitos comportamentais, cognitivos e psicofisiológicos dos canabinoides: relevância para a psicose e a esquizofrenia. Rev. Bras. Psiquiatr.,  São Paulo,  2013, vol.32, pp. 515-530