Crack e Cocaína

Compartilhe:

A cocaína é uma droga ilegal derivada da planta Erythroxylon coca. Ela pode ser inalada ("cheirada"), na forma de pó, injetada quando diluída em água ou aspirada ("fumada") na foma de crack. O crack é uma mistura de cocaína com o bicarbonato de sódio ou amônia, vendido na forma de pequenas pedras que são fumadas em "cachimbos". A cocaína normalmente é misturada a pós brancos como o talco, leite em pó, pó de giz, e cal.

Quando alguém usa cocaína/crack o que ele sente?

Quem usa cocaína ou fuma crack pode sentir sensações agradáveis ou desagradáveis como: 

  • Aumento do estado de alerta
  • Euforia
  • Sensação de bem-estar
  • Sensação de desconfiança, perseguição, erros na interpretação da realidade 
  • Autoconfiança elevada
  • Ataques de pânico e ansiedade intensas
  • Aceleração do pensamento
  • Aumento dos batimentos do coração, palpitações
  • Tiques
  • Aumento da temperatura do corpo
  • Aumento da freqüência respiratória
  • Suores intensos
  • Tremor leve das mãos e pés
  • Contrações  musculares (especialmente língua e mandíbula) e bruxismo
  • Dilatação das pupílas dos olhos

É possível usar cocaína ou crack com segurança?

Qualquer uso de cocaína ou crack comporta riscos importantes para o usuário. Dentre os riscos há o aumento de 24 vezes de se sofrer um infarto cardíaco, 14 vezes de se ter um derrame cerebral (acidente vascular cerebral),  disfunção sexual , overdose, convulsões e episódios de delírio e alucinação ("bad trip") e mesmo de se tornar agressivo ou de se sofrer uma morte súbita, hepatite B e C. Como se pode ver, qualquer uso de cocaína/crack tem riscos importantes para quem usa.

Como é possível identificar alguém que está usando cocaína ou crack? 

Os usuários de cocaína e crack apresentam mudanças evidentes nos hábitos, comportamentos e aparência física. Principais características:

  • Forte redução do apetite, que leva  à  perda de peso (mais rápida e acentuada nos usuários de crack). Pode-se observar sintomas relacionados  à  perda de apetite como cansaço físico, fraqueza e desnutrição.
  • Usuários de crack tendem a apresentar insônia quando estão sob efeito da droga, assim como sonolência nos períodos sem a droga. Podem surgir olheiras.
  • Queimaduras nos lábios, na língua, no rosto e nos dedos pela proximidade da chama do cachimbo (crack) são comuns.
  • Usuários de cocaína podem apresentar sangramentos do nariz e perfurações no cartilagem do nariz (septo nasal).
  • Pupilas dilatadas, olhos vermelhos.
  • Problemas na gengiva e nos dentes.
  • Falta de atenção e concentração.
  • Descuido com a higiene pessoal.
  • Redução do desempenho escolar, no trabalho, inclusive abandono das atividades..
  • Agressividade.
  • Agitação.
  • Isolamento social.
  • Brigas familiares

Apenas um destes sinais ou sintomas não é suficiente para se ter certeza que uma pessoa pode estar usando crack/cocaína, mas um conjunto deles pode ser muito sugestivo.

Qual a diferencia entre a cocaína e o crack?

O crack contém cocaína, portanto, todos os efeitos provocados pela cocaína também ocorrem com o crack. Porém, sua via de uso (via pulmonar, já que o crack é fumado) faz toda a diferença entre o crack e o “pó”. 

O crack é fumado e alcança o pulmão, que é um órgão bastante vascularizado e com grande superfície, sendo absorvido instantâneamente. Do pulmão, o crack cai quase imediatamente no sangue e é levado ao cérebro. Pelo pulmão, o crack chega mais rápido ao cérebro e com isso os seus efeitos aparecem muito mais rápido do que os da cocaína, usada pelo nariz. A duração dos efeitos do crack é muito rápida. Em média, dura em torno de 5 minutos. Quando a cocaína é injetada, seus efeitos duram cerca de 20 minutos, quando cheirada, 45 minutos. A curta duração dos efeitos do crack obriga o usuário a fumar com cada vez mais frequencia e em alguns casos com o intervalo de apenas alguns minutos. Esse comportamento leva a dependência muito mais rapidamente em relação à cocaína.

A cocaina fumada na formar de crack causa danos muito rapidamente nos usuários. Sabe-se que em menos de um mês, o usuário regular de crack emagrece muito, chegando a perder de 8 a 10kg. Com o tempo o usuário de crack pode perder as noções de higiene e de auto-cuidados. Isto leva a perda do trabalho, a brigas constantes com a família, a uma degradação sócio-econômica e em alguns casos à estigmatização e exclusão social.  Após o uso intenso e repetitivo, o usuário experimenta sensações muito desagradáveis como:

  • Cansaço 
  • Falta de energia 
  • Tristeza 
  • Irritabilidade 
  • Perda do interesse sexual 
  • Intensa depressão. 

O índivíduo que usa crack acaba sofrendo uma degradação da vida psíquica, física e social que podem complicar o acesso e o sucesso do tratamento. O uso crônico de cocaína em pó resulta em rinite crônica e lesões nasais (perfuração de septo).


 


 

Referências Bibliográficas:

Bogliolo L.; Brasileiro Filho, G.; Rocha, A. Bogliolo patologia. 7.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. Pp 330-331.

Carlini, E. A.; Nappo, S. A.; Galduróz, J. C. F.; Noto, A. N. Drogas Psicotrópicas: o que são e como agem. Revista IMESC,nº3, 2001, pp.9-35. 3-Crack.The Lancet, 1987, Vol. 330 (8567), pp.1061-1062

DUAILIBI, Lígia Bonacim; RIBEIRO, Marcel; LARANJEIRA, Ronaldo. Profile of cocaine and crack users in Brazil. Cad. Saúde Pública[online].2008, vol.24, suppl.4, pp. 545-557.

Felix Kessler, F.; Pechansky, F. Uma visão psiquiátrica sobre o fenômeno do crack na atualidade. Editorial a convite. Revista Psiquiatria RS. 2008;30(2), pp.96-98

Gagliardi,RJ.; Raffin, M.; Marques, ACPR. Abuso e Dependência da Cocaína.Projeto Diretrizes. Associação Brasileira de Psiquiatria.2002. (Acesso em 03/02/2013) Disponível em : www.projetodiretrizes.org.br/projeto_diretrizes/005.pdf

Mittleman, M.A., Mintzer, D., Maclure, M., Tofler, G.H., Sherwood, J.B., Muller, J.E.Triggering of myocardial infarction by cocaine. Circulation. Jun 19991; 99(21), Pp. 2737-41.

Ríos, F., Broderick, J.P., Flaherty, M. L. Eilerman, J. Trends in Substance Abuse Preceding Stroke Among Young Adults. A Population-Based Study. Stroke. 2012 Dec;43(12), Pp.3179-83

Rodrigues VS, Caminha RM, Horta RL. Déficits cognitivos em pacientes usuários de crack. Rev Bras Ter Cogn 2006; vol.2 n.1 pp.67-72

Vale, Allister. Cocaine. Medicine. 2007, vol. 35, suppl. 11, pp. 39-39

White, S.M., Lambe, C.J.T. The pathophysiology of cocaine abuse. Journal of Clinical Forensic Medicine Volume 10, Issue 1, March 2003, Pp. 27–39